Defesa de Mestrado de Guilherme Colucci Pereira

Título do Trabalho
Mediation of processes of systems codesign and the empowerment of lesbian, gay, bisexual, and transgender (LGBT) people
Candidato(a)
Guilherme Colucci Pereira
Nível
Mestrado
Data
Add to Calender 2018-02-28 00:00:00 2018-02-28 00:00:00 Defesa de Mestrado de Guilherme Colucci Pereira Mediation of processes of systems codesign and the empowerment of lesbian, gay, bisexual, and transgender (LGBT) people Auditório do IC 3 INSTITUTO DE COMPUTAÇÃO mauroesc@ic.unicamp.br America/Sao_Paulo public
Horário
14:00
Local
Auditório do IC 3
Orientador(a)
Maria Cecilia Calani Baranauskas
Banca Examinadora

Titulares  -  Professores Doutores

Unidade/Instituição

Maria Cecilia Calani Baranauskas

IC/UNICAMP

Luiz Ernesto Merkle

DAINF/UTFPR

Julio Cesar dos Reis

IC/UNICAMP

 

Suplentes  -  Professores Doutores

Unidade/Instituição

Ariadne Maria Brito Rizzoni Carvalho

IC/UNICAMP

Laura Sánchez Garcia

PPGInf/UFPR

Resumo

O uso de tecnologia para melhorar a qualidade de vida de pessoas tem sido crescentemente explorado na área de IHC (Interação Humano-Computador). Abordagens subjetivistas são preferidas nesses contextos pelas suas considerações de cultura, valores e singularidades dos aspectos humanos da interação. O paradigma crítico-ideológico é um referencial teórico da Filosofia da Ciência que pode guiar esses esforços – ele considera nosso mundo como o resultado de processos históricos definidos por relações de poder. A realidade, de uma perspectiva crítica, é uma experiência pessoal, mas influenciada por desigualdades sociais e opressões.
Historicamente, a população LGB tem sofrido com numerosos desafios. Preconceito, perseguição, criminalização, tortura, estereotipagem são alguns exemplos de uma extensa lista de barreiras que pessoas LGBT tiveram – e em muitas regiões ainda têm – que enfrentar simplesmente por serem (ou aparentarem ser) LGBT.
Esse trabalho pretende abordar criticamente tais questões para entender as relações entre tecnologia e o suporte e proteção de pessoas LGBT. Ele parte do princípio de que pessoas deveriam ter acesso aos mesmos direitos e qualidade de vida independentemente de suas características sociais, como identidade de gênero e orientação sexual. O projeto começa com um estudo exploratório virtual sobre como a tecnologia por meio de suas interfaces de usuário - em particular, as redes sociais – podem reproduzir o preconceito existente no contexto social onde está inserida. Em seguida, nós utilizamos o codesign, baseado na Semiótica Organizacional (OS) e no Design Participativo (PD) para desenvolver uma aplicação móvel para empoderar pessoas LGBT.
As atividades de codesign foram realizadas com um grupo de voluntários e ocorreram pessoalmente e virtualmente.  O ciclo de codesign abarca a maioria dos passos do desenvolvimento de produtos, incluindo a elucidação do problema, engenharia de requisitos, prototipagem, avaliação e análise de impacto social. Como resultado, apresentamos LGBTrust, uma aplicação que visa articular funcionalidades educacionais, protetivas e sociais para dar suporte coletivo à luta contra LGBTfobia e fortalecer os laços entre múltiplas partes interessadas. Ademais, nós refletimos nos modos que a LGBTfobia está presente em interações virtuais, aspectos de questões LGBT abordadas por tecnologias atuais e suas limitações, o uso crítico da OS e PD, o design rationale dos elementos de interação da aplicação e uma avaliação de valores baseados em teoria da cultura.