A+A-Acessibilidade
EnglishPortuguese
Buscar

Claudia Olsson explica como as novas gerações devem se preparar para as mudanças tecnológicas

Uma das principais palestrantes da Europa em inovação digital, CEO da Stellar Capacity participou do Conexão Rio-Campinas

Uma das principais palestrantes da Europa de temas como a inovação digital, o efeito das novas tecnologias para os cidadãos na sociedade, na liderança e nos mercados globais, a sueca Claudia Olsson fez na quinta-feira (9) uma conversa exclusiva com o Conexão Rio-Campinas, parceria entre o Departamento de Informática (DI) da PUC-Rio e o Instituto de Computação (IC) da Universidade de Campinas (Unicamp), que promove debates e intercâmbios de conhecimento em computação e tecnologias.

Na palestra, Olsson, que é fundadora e CEO da escola sueca de transformação digital Stellar Capacity, fez um panorama sobre as adaptações necessárias às constantes mudanças da tecnologia. Para ela, profissionais da área e, principalmente, as novas gerações precisam estar conscientes do impacto que essas atualizações terão sobre a indústria para que absorvam as habilidades necessárias ao mercado.

Olsson falou também sobre as perspectivas de mudanças futuras no meio científico e as habilidades que os profissionais da área precisam absorver para a introdução ao mercado tecnológico. E deu como exemplo sua própria trajetória.

“Devo muito aos programas de treinamento executivo nas Universidades de Oxford, Harvard Kennedy School e ao Seminário Internacional de Ciência e Juventude de Estocolmo, na Suécia, que foram determinantes para a minha formação e inspiração no meio tecnológico. Essas experiências me deram o conteúdo e ferramentas necessárias para que eu chegasse onde estou hoje”, contou.

Além da formação continuada, é preciso também uma mentalidade ágil que se adapte a essas mudanças, opinou Olsson, que foi nomeada Jovem Líder Global pelo Fórum Econômico Mundial. 

“Acredito que formas originais de liderança serão exigidas, moldando uma cultura voltada para o futuro e para a geração de resultados. O mundo estará interconectado nas próximas gerações. A indústria e os funcionários precisam estar preparados para essas mudanças”.

Na palestra, a pesquisadora destacou também as melhores práticas que líderes digitais têm adotado e também forneceu insights sobre como aproveitar as novas ciências para causar mais impactos positivos. Olsson citou exemplos dessa nova tecnologia no mundo moderno que foram utilizados durante a pandemia da Covid-19. 

“O impacto tecnológico já pode ser notado, e a pandemia nos deu bons exemplos disso. Um sistema de robôs autônomos para entregas sem contato pode ser visto durante a pandemia. Em cidades de países como a Estônia, foram disponibilizadas máquinas de delivery. Em áreas rurais e remotas isoladas da província de Hebei, na China, a Jd.com (empresa chinesa de comércio eletrônico) usou drones com raio de vôo de 5 km e capacidade de 50 kg para entregar produtos durante o lockdown. Isso é uma prova de como a ciência se desenvolve, se adapta e pode impactar positivamente na vida das pessoas”, argumentou. 

A pesquisadora ensinou ainda aos participantes as principais habilidades que precisam ser desenvolvidas para que as pessoas continuem relevantes em um mundo em mudança. De acordo com Olsson, as cinco competências mais procuradas são a criatividade, a persuasão, a colaboração, a adaptabilidade e a inteligência emocional. Já as habilidades práticas mais exigidas, segundo ela, são a tecnologia blockchain, noção de computação em nuvem, raciocínio analítico, inteligência artificial e Design de UX.

“A demanda por habilidades está mudando, será importante ter como prioridade a capacidade analítica e de inovação, de resolução de problemas, pensamento crítico, criatividade, originalidade, iniciativa e liderança, entre outras”, exemplificou.

Para a cientista, mudanças na hierarquia serão vistas no futuro e todos precisam ter acesso à informação. Será necessário, afirmou, que cada trabalhador da área científica seja líder de si mesmo para uma rápida adequação às mudanças do mercado. O conhecimento e a necessidade de aprender são determinantes para as futuras profissões envolvendo a tecnologia. É fundamental, concluiu a pesquisadora, começar a caminhar nessa direção.

“Ensinamos habilidades que os robôs não podem substituir, junte-se a nós na revolução do aprendizado profissional”, finalizou. 

O Conexão Rio-Campinas promove palestras e debates online mensais com grandes nomes da Ciência da Computação e pesquisadores do DI da PUC-Rio e do IC/Unicamp. Se inscreva no canal de YouTube do Departamento de Informática da PUC-Rio e fique sempre ligado nas nossas redes sociais para saber sobre novidades deste e de outros muitos projetos!

Autoria : Assessoria de Imprensa Corcovado