21 dez
14:00 Defesa de Mestrado Sala 53 do IC2
Tema
Uma análise de Sistemas de Probabilidade Genética como software de alta integridade
Aluno
Tainá Turella Caetano dos Santos
Orientador / Docente
Islene Calciolari Garcia
Breve resumo
É de conhecimento geral que a tecnologia possui um grande papel na sociedade atual e que esta afeta diversas áreas, desde sistemas de recomendação disponíveis em redes sociais até software usado como evidência em casos criminais. Artefatos tecnológicos podem parecer inofensivos, mas quando cavamos mais a fundo nos mecanismos sociais que os alimentam e que são alimentados por eles, é fácil perceber que estes podem não ser tão justos ou até mesmo tão desconectados das disparidades sociais perpetradas por nós humanos. Dependendo de quais esferas sociais tais algoritmos e sistemas atuam, os efeitos controversos de sua existência não supervisionada e inquestionada não são tão alarmantes, talvez porque o nível de integridade destas não seja alto o suficiente. É aceitável que, enquanto vemos nossos feeds em nossas redes sociais favoritas, não encontremos uma grande diversidade de posts. É menos aceitável quando um banco recusa um empréstimo a alguém porque um algoritmo de score de crédito, por motivos não bem definidos, sinalizou algum problema com o requerente. Mas seria inaceitável se um software utilizado como evidência criminal embasasse a prisão de uma pessoa inocente. Ao usar software como evidência em tribunal, especificamente Software de Probabilidade Genética (PG), é preciso entender que uma saída deste software pode ser responsável pelo encarceramento de uma pessoa por longos períodos devido à gravidade dos crimes onde esta ferramenta se faz necessária. Portanto é imperativo compreender os mecanismos por trás deste software e garantir que ele passou por um processo minucioso de validação antes de sua aplicação em casos reais. Existem muitas ferramentas de PG disponíveis para análise, mas nosso foco será limitado às ferramentas open source; LRmix/Forensim [6] (utilizada no Brasil [29]), EuroForMix [12], Kongoh [50], LikeLTD [65] e LabRetriever [44]. Nesta dissertação, nós comparamos o processo de validação seguido pelas pessoas desenvolvedoras das ferramentas citadas com guidelines propostas pela comunidade forense e verificamos se os padrões propostos pela IEEE são seguidos. Também são recuperadas métricas referentes à cobertura de código pelos testes e rápidas análises estáticas são realizadas no código. Nosso objetivo é caracterizar quais testes deveriam ser tidos como obrigatórios em sistemas de alta integridade ao mesmo tempo em que analisamos se ambos os sistemas selecionados performam tais testes corretamente, mesmo em cenários complexos baseados em casos reais. Não temos a pretensão de desencorajar o uso deste tipo de software em circunstâncias onde as amostras são menos complexas, até porque estas análises se tornaram uma importante peça de evidencia em casos de abuso sexual, por exemplo. Aqui apenas trazemos percepções sobre possíveis brechas no processo de validação que poderiam ser danosas em casos complexos.
Banca examinadora
Titulares:
Islene Calciolari Garcia IC/UNICAMP
Renata Wassermann IME/USP
Sandra Eliza Fontes de Avila IC/UNICAMP
Suplentes:
Esther Luna Colombini IC/UNICAMP
Ana Elisa Liberatore Silva Bechara FD/USP